Doce Mulher
Ângelo Sansivieri

Doce mulher que encanta,
Bela na vida um sorriso,
no corpo, um desejo canta,
suave movimento preciso.

Doce mulher magia,
Bela na noite de verão,
no corpo, uma fantasia,
suave prazer da paixão.

Doce mulher cadente,
Bela na estrela brilhante,
no corpo, marca do dente,
suave sabor amante.

Doce mulher poesia,
Bela no verso refrão,
no corpo molhado, arrepia,
suave cheiro, tesão.

Doce mulher poema,
Bela no texto final,
no corpo desenha cena,
suave, êxtase carnal.




Doce magia
Fanete Costa

Doce, saber-me percebida,
Bela, ao sentir-me enlevada,
Nesse amor que me alcança,
palavras mágicas na madrugada.

Doce mágica envolvente,
No calor das noites quentes,
Adentrando em meu coração,
A me fazer sorrir plenamente.

Doce amor que se faz poesia,
Noite que não quer ver o dia nascer,
luz refletida em meus olhos,
Incapaz do meu céu escurecer.

Doces versos descrevem com sutileza,
o encontro dos corpos com delicadeza,
Chegando ao ápice desse encontro,
Sem d’ele omitir os ‘toques’ de beleza.

Doce e sensível homem poeta,
Que tão bem descreve esse enlace
Fundindo magia, amor e desejo
Fazendo-nos flutuar pelo espaço

                                    

É proibida a reprodução total ou parcial do material contido
neste site sem a expressa autorização do autor.
Copyright©2012, Fanete Costa

Designer Fanete Costa                                                    Webmaster corcel negro.®