Gaivota



Gaivota

Teu vôo rasante busca alimento
Mergulhas nos mares universais
Pesca o teu pão para sobreviver

Gaivota

Feliz de Ti que nobres asas tem...
Podes mergulhar nos mares que desejar
Mesmo que pescando para se alimentar.

Gaivota

Sabes que sobre as ondas do mar
Teu alimento com calma achará
No teu bico longo e agudo trarás

Gaivota

Alem de toda beleza contemplares
És livre para na natureza adentrar
Alem de toda liberdade para voar

Gaivota

Eu também mergulho em busca
Busco o retorno de meus versos
Busco a magia perdida da poesia

Gaivota

Diferente de Ti eu apenas contemplo
Diferente de Ti eu busco a liberdade
Através de sonhos e vivo de saudades

Gaivota

Meu vôo se afunda na falta deles
Meu oceano já não tem mais ondas
Minha poesia já não tem inspiração

Gaivota

Alço vôo que não chega a lugar algum
Meu oceano é por completo revolto
Ondas insurgem deveras em meu coração

Gaivota

Abra as asas fortes do amor sublime
Renova em mim os versos perdidos
Lança seu corpo branco em rimas

Gaivota

Me leva em suas asas
Me faz reaver o encanto perdido
Refaz esse coração tão sofrido

Gaivota

Cura de mim esta asa quebrada
Retira de mim a marca desta dor
Devolve-me o entusiasmo criador

Gaivota

Retira de mim qualquer peso
Todo acúmulos de enganos
Mas faz  meu coração sabedor

Gaivota

Livre jazer eterno teu espaço
Livre teu planar será o mesmo
Livre, apenas livre sempre serás.

Gaivota

Agora sim, me deixa em terra firme
Livre das penúrias terrestres
Agora eu mesma sonharei e voarei.

 

Corcel negro® e Fanete Costa

                                   

É proibida a reprodução total ou parcial do material contido
neste site sem a expressa autorização do autor.
Copyright©2012, Fanete Costa

Designer Fanete Costa                                           Webmaster corcel negro.®