Quem vem antes - Amor ou Respeito?
(Inspirado no texto ENXERGAR de Saul Brandalise Jr)
 

Lendo o escritor Saul Brandalise Jr, eu achei pontos interessantíssimos que cai por terra certos dogmas criados desde a minha infância. 

 Geralmente e sem exceção, clamamos por amor, para que assim salvemos o mundo. 

Mais amor para que cessem as guerras. Mais amor para que acabemos com a violência. Mais amor para o futuro dos nossos filhos e assim por diante. 

Não percebemos que a palavra chave do momento é o respeito. Sim, respeito à individualidade de cada um, respeito pelas falhas alheias, respeito pelas nossas crendices, respeito pelos erros dos outros, respeito pela dor do próximo e respeito pela forma de amar de cada ser humano. 

Reclamamos da incompreensão dos outros em relação aos nossos problemas, reclamamos porque uns tiveram a chance de ter mais e um melhor emprego e não vemos o ponto de partida para que todos caminhem lado a lado como iguais. 

Se estivermos recebendo algo que não é o que achamos correto e justo, perguntamos; oh, Senhor, por que comigo e com ele não? 

Precisamos e urgentemente, fazermos uma viagem interior e encontrarmos o X dos nossos problemas que vai criando aos poucos e sem percebermos, essa onda de mal estar e de nos sentirmos diferentes diante do outro. 

Precisamos entender o que seja ENXERGAR e isso é realmente para poucos. Achamos que Maria e João se encontraram naquela esquina por acaso ou por coincidência e foram tão felizes e por que não eu a estar naquela esquina? Outros chamam de maré de azar algo que de negativo pelo qual está passando. Um grande erro, as oportunidades e as chances estão ai para todos nós. Não é maré de sorte coisa alguma, isso é COLHEITA. É retorno daquilo que fizemos e plantamos. 

Se entendermos que não é Deus que coloca isso ou aquilo no nosso caminho e que somos nós mesmos que com nossas atitudes vamos traçando nosso destino, eliminaremos até o mal do século que é a tão temida depressão. Procuremos no nosso intimo as nossas verdades e comecemos a aplicá-las corretamente, sendo ficais de nossos atos porque é contra nós mesmos que estamos trabalhando. 

Segundo o autor de ENXERGUE, esse momento que paramos e refletimos sobre tudo que está acontecendo, e chegando a conclusão de que tudo é conseqüência do que nós próprios fizemos, pode ser comparado a um jogo de PÔQUER, esse é o nosso momento de trocar e pedir novas cartas. Fiquemos com as que julgamos serem corretas e o restante descartamos, para que novas surjam com mais fé e esperança para podermos então compor um novo jogo, o jogo da vida. 

E tem mais uma coisa meu amigo(a). Não é por caminharmos lado a lado e olharmos na mesma direção, que somos obrigados a enxergarmos o mesmo Cenário e o mesmo colorido. Isso depende muito do estado de evolução de cada um, ou seja, a energia positiva ou negativa ao empregarmos as nossas verdades. 

Entrar em sintonia com o universo e com o próximo, depende de como estamos encarando a vida e seria total hipocrisia acharmos que cada um não seja ou pense diferente de nós. Seria permanecer na mesmice de que ‘eu acho’, ‘eu posso’, ‘eu quero’, ‘eu mando’ e todos tem de me seguirem. Jamais o mundo será melhor se as pessoas se ‘acharem’ no direito de que a sua forma de pensar é a correta e o resto do mundo é que está errado. 

É... Hoje eu creio que o mundo está precisando urgentemente é de RESPEITO. O que faz a diferença não é o amor, e sim, o respeito com o qual o aplicamos. 

                                                                Por Fanete Costa
 


                               

É proibida a reprodução total ou parcial do material contido
neste site sem a expressa autorização do autor.
Copyright©2012, Fanete Costa

Designer Fanete Costa                            Webmaster corcel negro.®