Teoria e prática são situações bem distintas
 


"
A alma não pode adoecer, porque é o que há de perfeito em ti, a alma evolui, aprende. Na realidade, boa parte das enfermidades são exatamente o contrário: são a resistência do corpo emocional e mental à alma. Quando nossa personalidade resiste aos desígnios da alma, adoecemos... (trecho da entrevista do Dr. Jorge Carvajal, médico cirurgião da Universidade de Andaluzia)"

Não estava preparada para escrever sobre nada, alias não estou, mas lendo essa entrevista do Dr. Jorge Carvajal, me coloquei dentro dela e reconheci alguns sintomas e, por mais que sejam os recomeços da vida e sejam porque motivo for,  à vida passa pela janela de uma forma tão rápida que não nos dá tempo de pensarmos se podemos segui-la, ela simplesmente diz, estou aqui, vamos? Tive que correr atrás dela.

Existem momentos e momentos nas nossas vidas. Ganhos e perdas, tristezas e alegrias. Fiquei a pensar nas varias vezes em que inocentemente bati o martelo radicalmente sobre convicções e valores que trago do ventre da minha mãe ou os que fui assimilando desde que fui me tornando gente grande. Não sei se os ‘50’ anos têm crise, mas se tem acho que fui tocada por ela.

Sabe, em certos momentos determinantes que me aconteceram, me fizeram balançar; não nos meus valores, como fé, integridade ou coisas do tipo, mas nas verdades em que eu acreditava mesmo não as tendo vivenciado. Hoje mais do nunca, antes de dizer faça isso ou aquilo eu me coloco no lugar de quem vivencia um conflito, quer seja pessoal ou com a própria vida que tantas situações nos cria e simplesmente sai de perto como a nos testar se seremos capazes de sair delas.

Em uma coisa eu queria muito ter mudado: meu lado afetado, impulsivo e urgente, mas não mudei e acho que isso faz parte da minha personalidade questionadora. Acho até que são subsídios que muito me ajudam a seguir sempre, mesmo com algumas cicatrizes na alma ou com os pés machucados dos espinhos encontrados em alguma parte do caminho, caminho esse que Jesus seguiu em situações bem mais significantes que o meu. 

Alguém poderá até se perguntar, mas o que aconteceu com essa mulher pra que ela se encontre tão frágil?
- Diria que não foi nada diferente do que acontece todos os dias e com dezenas de pessoas, apenas vivenciei coisas nunca por mim vividas, assim como perdi bens emocionais que fazem parte do meu coração e ele está tendo que reaprender a viver sem eles. Isso não só fragiliza como nos deixa sem eixo principal e, independente da minha fé que sem ela eu nem estaria mais aqui descrever essa nova fase; que seja a dos 50, não me importo de rotulá-la assim. 

Nenhuma convicção é tão importante quando o nosso equilíbrio emocional porque sem ele, ficamos sem certeza alguma.
Nenhum bem material vale tanto quanto a presença e o amor daqueles que fazem parte das nossas vidas.
Ninguem será jamais responsável pela nossa felicidade, mas, o que é felicidade se não pequenas frações somadas dos momentos plenos que eternizamos com amores que nos rodeiam?

Alguém saberia viver, trocar, produzir, ser feliz...SOZINHO?
A vida tem dessas coisas. Teoria e prática são situações bem distintas e a transição entre uma e outra é administrada por nosso equilíbrio.
Teoria é como uma aula e você pode fechar o livro depois de ler.
Prática é você ‘viver’ e não dá pra se fechar os olhos e ficar à margem dela.

 Fanete Costa


                                             

É proibida a reprodução total ou parcial do material contido
neste site sem a expressa autorização do autor.
Copyright©2012, Fanete Costa

Designer Fanete Costa                                                                     Webmaster corcel negro.®